Apresentação do Serviço

O Estado, ao longo da História, tem adaptado e modificado as suas estruturas organizacionais para assegurar uma resposta adequada às prioridades emergentes de cada sociedade no seu contexto particular. No entanto, as últimas duas/três décadas foram caracterizadas por um processo de reforma mais orientado, programado e organizado.

Este fenómeno não pode ser dissociado da crescente intensificação do ritmo da mudança registado na sociedade moderna globalizada. Assim, neste quadro de reforma assiste-se à necessidade de novas formas de organização do trabalho, novas competências e metodologias de gestão, de acordo com a OCDE podemos identificar algumas tendências que influenciam a forma como os Governos têm vindo a reorganizar o trabalho “público”:

 

  • Diversificação – Preferência pelo controlo e avaliação do output em detrimento do processo e/ou do input, o que contribui para uma diversidade organizacional;
  • Especialização – A complexidade crescente da sociedade e a resposta individualizada exigida pelo cidadão têm alinhado o sector público num sentido de especialização das suas competências;
  • Cultura de Mérito – Assimilação de mecanismos de incentivos aos recursos humanos, característicos do sector privado, como forma de motivação e de premiar o mérito, em detrimento dos mecanismos tradicionais de avaliação do trabalho no sector público;
  • Confiança do cidadão – As reformas desenvolvidas têm sido norteadas pelo objectivo de assegurar a confiança nos novos modelos de prestação do serviço público, bem como a credibilidade das políticas desenvolvidas;
  • Accountability – As novas formas de organização tendem a afastar as estruturas burocráticas “sem rosto”, adoptando configurações organizacionais que assegurem o controlo da performance (organizacional/individual) e a prestação de contas das entidades responsáveis pela execução de determinado serviço ou política.

 

Considerando o caso específico nacional, as reformas realizadas na Administração Pública ao longo das últimas décadas têm sido originadas pelos seguintes factores:


Actualmente, face à grave conjuntura económica em que vivemos, a Administração Pública portuguesa tem imperiosamente que vencer as exigências de mudança que se lhe colocam, de forma a assegurar a competitividade no plano internacional.

A Companhia Própria, reconhecendo a importância estratégica do processo de reformulação do sector público no contexto da competitividade nacional, aproveitando o Know-How adquirido nos projectos desenvolvidos junto da Administração Pública, bem como as competências assimiladas através do processo de reorganização interna realizado em 2011, estruturou uma unidade de negócio dirigida especificamente a este segmento de mercado.

Pretende, assim, constituir-se como um agente activo de referência no actual processo de reforma pública, através da disponibilização de soluções de consultoria/formação que contribuam para a modernização do Estado, para a eficiência dos seus processos e para a valorização dos seus activos. A estratégia da empresa pode ser sintetizada, da seguinte forma:

 

MISSÃO

“Proporcionar, às pessoas e organizações, o aumento dos seus conhecimentos, capacidades e competências.”

 

VISÃO

“Ser líder e principal referência no mercado da formação /consultoria, com uma abordagem comercial às organizações, diferenciada e baseada numa oferta global e personalizada ao cliente.”

 

VOCAÇÃO

“Permitir às pessoas e organizações o acesso a soluções inovadoras de excelente qualidade e forte aplicabilidade prática.”

 

 


Formulário de contacto







escreva os numeros
por favor insira os números que vê na imagem *


enviar